“Já faz um tempo que resolvi viver a minha vida. Tá certo que ainda tem muita coisa boa por aí que eu ainda não conheço, mas de pouquinho em pouquinho tenho andado mais com as minhas próprias pernas e isso tem me levado a lugares que desconhecia. Tenho conhecido gente nova e rido de tudo o que um dia já me fez chorar. Não que eu ainda não chore; de vez em quando uma lágrima ou outra ainda consegue escapar, mas nada que me deixe de cama e me tire a vontade de viver como antigamente. Nada que possa ser considerado doentio. Que Deus me perdoe se eu não estiver no caminho certo, mas depois de tanto tempo parado, caminhar pela vida tem me feito um bem danado.”
Azul Ciano. 
“Há tanta coisa que eu preciso, necessito Te dizer. E mesmo que eu suplique, seja feito o Teu querer. Nem que seja um segundo, escuta agora o meu clamar. Estou vivendo nesse mundo, mas o que eu quero é Te encontrar, por isso, peço mais que tudo: Volta! (..) Tenho Te pedido coisas, canais banais pro meu viver, mas este mundo é passageiro, quero viver para Ti. Minha alma está pronta pra subir. Oh vem, Senhor, vem me buscar, já estou cansada desse mundo aqui. Volta! Volta!”
Volta - Daniela Araújo. 
“Vou contar um segredo: Não dormi a noite inteira, estou virado. Mas xiu! Ninguém precisa saber além de mim e você, estamos combinados? Espero que sim. Por favor, não entenda mal, tentei dormir. Revirei na cama, contei carneirinhos, eles me contaram. Nós rimos juntos. Eu disse que sentia saudades e pedi que não espalhassem. E quer saber? Eles são ótimos com segredos. Levantei e contei as estrelas do céu, mas não deu certo. Sentei e li um livro, mas nada de sono também. Uma coisa curiosa sobre a noite, é o silêncio natural que surge dela e a forma mágica que ela tem de fazer com que as lembranças nos invadam. Quando percebi isso… chorei. Não um choro comum, e sim aqueles que vem de dentro. Lágrimas que escorrem pelos olhos, porém foram derramadas pelo coração. Estranho e sem sentido isso, né? Mas depois de rir com carneirinhos, o que faz sentido então?”
Allax Garcia.  
“Sem você tudo parece estar em preto e branco, os dias se tornam nublados, chuvosos, agitados e tediosos. Não existe mais aquela paz com calmaria, aquela alegria em saber que irei repousar com você entre meus braços e logo pela manhã olharei em teu rosto inchado, com aquele sol batendo em nossos corpos grudados, com você acordando e sorrindo dizendo que sou a melhor coisa que já aconteceu em sua vida e muito menos irei ouvir tua voz sussurrando em meus ouvidos dizendo que me amaria até o fim dos tempos. A saudade já me dói a tempos, me aperta só de ouvir teu nome e me destrói só de pensar nos momentos que estivemos juntos. Te peço meu amor, chega logo, pinte os meus dias com o teu sorriso, faça nascer o sol que a tempos não avisto, me tire desta rotina, me salve desta humanidade sem amor. Mas por favor, me diga que não demora, pois com toda essa saudade, já não sei se suportaria tanto tempo sem você.”
Saudade é tortura. 
“Eu não acredito no destino por acaso. Acredito que sempre há um motivo para tudo nessa vida. É que a vida é assim: Às vezes estamos tão fechados dentro de nós mesmos, que deixamos passar certas coisas. Mas sempre sabemos a hora certa de se mostrar. Sempre há alguém que nos faz bem. Mesmo diante das circunstâncias, aparentemente sem saída, sempre há uma. Sabe, talvez, só precisemos de alguém que nos mostre isso, segure na nossa mão e diga:”Eu estou aqui com você.” Que nos protege quando mais precisamos.”
Fernanda Gomes. 
“Depois de tanto tempo assistindo você mentir pra mim dizendo que está bem eu finalmente vi você desmoronar. Não estou feliz, ao contrario estou triste ao saber que você nunca confiou em mim, em ninguém. Veja bem, você engoliu tantas palavras que acabou colocando as para fora sozinha em seu banheiro. Você guardou tantas magoas e chorou sozinha em seu travesseiro. E no dia seguinte tomou café só, almoçou só, viu um filme só, ouviu musica só. Você acabou se tornando amante da solidão. Eu assisti isso tudo e não pude fazer nada pra te ajudar a mudar. E nesse exato momento vejo a chuva cair e não é lá fora.”

Meu espelho me observava.

“Eu sou um problema. Eu sou um grande borrão em uma parede branca, não me faças, não me queiras e não me conheças. Eu sou uma perda de tempo, ninguém sabe exatamente o que quero e o que espero. O que sou? Sou tudo, tudo que é momentâneo. Não estou e nem vou ficar, não se engane. Eu não sou e nem quero ser, me deixe sonhar. Sou um papel, aquele que você encontra no meio do nada e nem lê. Sou as vidas que deram errado. Mas eu não sou, nem sei como ser. Mas sou como o vento: passageiro.”
Laura. 
“Você cresce. Suas roupas ficam menores, as ofensas já não acertam na mesma intensidade. Você expande seu campo de visão, e enxerga tudo o que não passava de um grande nada. Os dias passam, problemas aumentam, e o tempo se reduz. Responsabilidades, contas, horários, prazos, preocupações, e finalmente, a tão sonhada independência. Você cresce, as piadas tornam-se cansativas, as histórias entediantes, as pessoas irritantes, os amigos antigos vão sumindo aos poucos por estarem crescendo também. Você cresce, e ironicamente se sente menor, a rotina te aperta, e saudade te engole. Todo mundo cresce, e a maturidade tem um preço, quem diria que ser livre pode custar a liberdade? Te obrigam a voar, enquanto seguram suas asas. Amadureça, mas não cresça antes do tempo. Aproveite sua juventude, e acredite, crescer tem lá suas desvantagens.”
Sean Wilhelm.  
“Você se cansa de amores incompletos, de amores platônicos, de falta de amor, de excesso disso e daquilo. Se cansa do “apesar de”. Se cansa do rabo entre as pernas, da sensação de estar sendo prejudicado, se cansa do “a vida é assim mesmo”. Você se cansa de esperar, de rezar, de aguardar, de ter esperanças, cansa do frio na barriga, cansa da falta de sono.Você se cansa da hipocrisia, da falsidade, da ameaça constante, se cansa da estupidez, da apatia, da angústia, da insatisfação, da injustiça, do frenezi, da busca impossível e infinita de algo que não sabe o que é. Se cansa da sensação de não poder parar.”
PC Siqueira  
“Às vezes, não há nenhum aviso. As coisas acontecem em segundos. Tudo muda. Você está vivo. Você está morto. E as coisas continuam. Somos finos como papel. Existimos por acaso entre as percentagens, temporariamente. E esta é a melhor e a pior parte, o fator temporal. E não há nada que se possa fazer sobre isso. Você pode sentar no topo de uma montanha e meditar por décadas e nada vai mudar. Você pode mudar a si mesmo para ser aceitável mas talvez isso também esteja errado. Talvez pensemos demais. Sinta mais, pense menos.”
Charles Bukowski.
“Eu gostava de ficar sentado na varanda, nos dias de sol, apenas observando as borboletas sobrevoarem o jardim. Elas têm tão pouco tempo de vida para aproveitar e são tão belas… A borboleta que eu avistei ontem, hoje, já foi substituída por outra. Hoje em dia, o mundo está infestado de borboletas. A música de sucesso, que toca no rádio, por duas semanas, é facilmente substituída por outra. O carro novo, na garagem, é substituído pelo do ano, para gabar-se com o vizinho. Os amores terminam antes mesmo de tornarem-se amor. As tragédias lamentadas por alguns dias, são em semanas, esquecidas. A metamorfose ocorre na velocidade de um cometa e nem todos conseguem acompanhar. A borboleta que ontem me fez uma visita já não existe mais.”
Thomaz Torres. 
“Existe apenas uma idade para sermos felizes, apenas uma época da vida de cada pessoa em que é possível sonhar, fazer planos e ter energia suficiente para os realizar apesar de todas as dificuldades e todos os obstáculos. Uma só idade para nos encantarmos com a vida para vivermos apaixonadamente e aproveitarmos tudo com toda a intensidade, sem medo nem culpa de sentir prazer. Fase dourada em que podemos criar e recriar a vida à nossa própria imagem e semelhança, vestirmos-nos de todas as cores, experimentar todos os sabores e entregarmos-nos a todos os amores sem preconceitos nem pudor. Tempo de entusiasmo e coragem em que toda a disposição de tentar algo de novo e de novo quantas vezes for preciso. Essa idade tão fugaz na nossa vida chama-se presente e tem a duração do instante que passa.”
Mario Quintana.  
“Eu sou sim a pessoa que some, que surta, que vai embora, que aparece do nada, que fica porque quer, que odeia a falta de oxigênio das obrigações, que encurta uma conversa besta, que estende um bom drama, que diz o que ninguém espera e salva uma noite, que estraga uma semana só pelo prazer de ser má e tirar as correntes da cobrança do meu peito. Que acha todo mundo meio feio, meio bobo, meio burro, meio perdido, meio sem alma, meio de plástico, meia bomba. E espera impaciente ser salva por uma metade meio interessante que me tire finalmente essa sensação de perna manca quando ando sozinha por aí, maldizendo a tudo e a todos. Eu só queria ser legal, ser boa, ser leve. Mas dá realmente pra ser assim?”
Tati Bernardi